Mulher tendo várias reações emocionais influenciadas pelo ciclo mentrual | INA - Saúde da Mulher

Durante muito tempo, tentamos enquadrar a mulher em um padrão linear de comportamento. Óbvio que isso foi feito com o objetivo de dar um espaço para a mulher em uma sociedade dominada pelo patriarcado, e garantir a essa mulher um lugar dentro do mercado de trabalho. Parece que essa foi a forma da mulher ser vista e considerada. Mas é inegável que custou algo muito valioso para nós. A liberdade de não sermos “lineares”.

Trazendo essa reflexão para uma ótica ainda mais geral, qual SER HUMANO é linear? Do ponto de vista do comportamento humano e das emoções e afetos, nenhum ser humano pode ser linear. Evoluímos mais do que outros animais pela nossa capacidade de pensar e sentir. Por que então querermos nos enquadrar em padrões lineares e exigir de nós a supressão das emoções e sentimentos?

Nós, seres humanos, somos cíclicos. Nascemos, passamos pela infância, chegamos à vida adulta e envelhecemos. E durante a velhice precisaremos ser cuidados, assim como na infância. Talvez não de forma física, mas pelo menos de forma emocional e afetiva. O que tem de linear nisto? Do meu ponto de vista: Nada.

Então, porque nós mulheres não podemos aceitar, vibrar e aproveitar a ciclicidade que nos é dada de forma tão natural e bonita mês a mês? Ao invés disso, os consultórios estão cheios de mulheres e meninas que experimentam desconfortos inúmeros com esse caráter impermanente dos sinais físicos e emocionais de SER MULHER!

Seriam estes, de fato, sintomas “ruins” ou estaríamos frente a um vício de interpretação e conceituação do que é bom ou ruim? 

Verdade que durante uma fase do ciclo menstrual a mulher se sente mais disposta, focada, disciplinada, coerente, ativa, produtiva. Mas logo depois virão momentos de maior flutuação emocional, distração, tristeza, sono, apatia. E momentos onde abre-se uma janela especial de criatividade e intuição.

Ufa, parece que há uma janela de oportunidade na interpretação das “fases” da mulher. E para mim essa janela de oportunidade chama-se LIBERDADE. Liberdade para mudar todo mês, para se sentir diferente, para organizar as funções e tarefas de forma diferente. E liberdade para se mostrar diferentes. Afinal, você que é mãe e até avó, nunca se pegou querendo mostrar para a filha ou neta como sendo “forte” e desprovida de momentos de tristeza e solidão?

Façamos todas o exercício de nos permitirmos essa vulnerabilidade. Afinal, é muito mais real e acolhedor ser cíclica. A mudança quando permitida nos torna pessoas mais reais. Então permita-se experimentar essa Liberdade. Seja você mesma. Esteja como você está no momento. Vamos cobrar produtividade quando for necessário e possível, vamos nos acolher SEMPRE!

A partir de hoje, estabeleça como hábito reconhecer como você se sente dia a dia. Quando estiver habituada a isso tente relacionar seus sentimentos e estados emocionais com as fases do seu ciclo. Reconheça-se. E SEJA LIVRE PARA CICLAR!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você pode usar estas HTML tags e atributos:

<a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

INA - Saúde da Mulher |INA ebook - Da vulva à mente: Como seu corpo se conecta

Novo e-Book do INA

Da Vulva à Mente: Como o seu corpo se conecta

Deixe seu contato para realizar o download gratuito do nosso e-Book!